Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Um despacho da Reuters

por Alda Telles, em 19.02.13

 

Agora que as grandes agências noticiosas são acusadas de manipular informação (mais rigorosamente, de serem manipuladas) e que "Lincoln" é um dos filmes do ano, gostaria de ver um "biopic" de 1940 que não encontro disponível em nenhum formato: A Dispatch from Reuters.

 

O filme, de fraco êxito comercial (apesar do protagonista ser o grande Edward G. Robinson) conta a vida do senhor Paul Julius Reuter, que deu nome a uma das mais famosas agências de notícias do mundo. Hoje Thomson Reuters, e creio que a maior do planeta.

 

Para além de uma interessante evolução do negócio dos despachos noticiosos, que passou dos pombos-correio para o telégrafo entretanto inventado, e que ia levando o Sr Reuter à bancarrota, o filme conta os dois grandes trunfos que recuperaram a empresa e a tornaram líder mundial.

 

A primeira foi o sucesso alcançado com a distribuição do discurso de Napoleão III, praticamente em tempo real ao da sua apresentação (eu sei, este "tempo real" faz sorrir). Mas o grande impulso para o domínio informativo da Reuters foi a notícia da morte de Abraham Lincoln, que ele conseguiu distribuir na Europa mais cedo que os seus concorrentes.

 

ironicamente, Reuter foi acusado de dar informação priviliegiada aos seus clientes (jornais e banqueiros), que souberam antes do público em geral (e dos governos) do assassinato do presidente americano, o que lhes terá dado vantagem na venda antecipada das suas acções na bolsa de Nova Iorque.


Presente em mais de 200 cidades em 94 países, incluindo uma redacção em Portugal, a Reuters tem políticas editoriais controversas, sendo a mais interessante (e irritante para os americanos) o facto de se recusar a utilizar o termo "terrorista" nos seus despachos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D