Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


A minha vida não é isto

por Alda Telles, em 14.12.10

 


 



"Los diplomáticos agradecen a Sócrates haber "permitido a EE UU usar la base de Lajes en las Azores para repatriar a detenidos de Guantánamo", "una decisión difícil que nunca se hizo pública", señala un despacho de septiembre de 2007.


(El País)



 


Mas também é. Estimulada pela incansável e sempre atenta Maria João Pires, passei a noite de ontem no site do El País à procura do telegrama que referisse a notícia amplamente divulgada na imprensa portuguesa "Diplomatas norte-americanos em Portugal referem que José Sócrates permitiu aos Estados Unidos utilizar a base aérea das Lajes, Açores, para repatriar presos de Guantánamo" e que resultou, em todos os meios nacionais, de uma simples tradução deste artigo espanhol.


 


Quando tive a certeza que tal telegrama não existia on-line, pedi a um dos jornalistas do El País que me indicasse como obtê-lo. A resposta, apesar de ser uma da manhã em Madrid, foi pronta: "Lamentamos, mas não o podemos disponibilizar. Apenas podemos dizer que se trata do despacho 121*** de */*/2007."


A minha insistência, com o desafio "Então onde fica a transparência?" já não obteve resposta.


Não consegui o tellesleak do wikileak.


 


Este episódio levanta-me as seguintes questões:


 


1. Se todo o argumentário dos "Cinco magníficos", onde o El País se inclui, é o direito à verdade e à transparência, expondo os telegramas tal como a pena ligeira das embaixadas os deu ao mundo, porque escrevem afirmações num artigo sem darem a conhecer o despacho que as sustentam? Deparamo-nos aqui com um paradoxal gatekeeping.


 


2. Admitindo que o despacho continha matéria de segurança não divulgável (embora tal também constitua um paradoxo na lógica do Wikileaks e dos seus media partners), não deveria o jornal tê-lo explicado e transcrito pelo menos essa porção do despacho?


 


3. Se não podiam ou queriam citar nem a fonte nem revelar a parte do documento que origina a notícia, não a deveriam então ter omitido?


 


4. Qual foi o jornal nacional, ou comentador, ou analista, que levantou esta questão? Se alguém o fez, aqui fica desde já a devida vénia.


 


ADENDA:


Alguns leitores dizem que basta procurar na "fonte original", onde estariam todos os telegramas da Embaixada americana em Lisboa (façam o favor, é aqui). O despacho que o jornalista do El País diz que tem, e que me identificou (é de 7 de setembro de 2007), não está disponível. Já verifiquei. É mesmo assim, não vale a pena procurar. Essa pinguinha ainda não é do povo.

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

Sem imagem de perfil

Inês Meneses a 14.12.2010

Bom, o site para procurar directamente nos "cabos" está aí acima, sem gatekeepers; com a referência enviada pelo El País será mais simples pelo menos verificar se eles se enganaram ou não. Procurando em todos vai levar mais tempo, mas lá chegaremos.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D