Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Morais Sarmento, o Comunicador

por Alda Telles, em 24.05.11


 


Decorreu hoje o Forum Internacional da APCE e da Global Alliance. Um dia em cheio de reflexão e debate sobre o sector e a profissão de relações públicas. Muito food for thought, quase uma indigestão.


 


Mas tenho de confessar que, against all odds, a palestra mais surpreendente e uma das mais brilhantes foi a de Nuno Morais Sarmento, apresentado ali como "lawyer and former minister". Surpreendente, antes de mais, por ter sido capaz de evitar referências oportunísticas ao momento político-campal que se vive em Portugal. Surpreendente também pela sua análise do contexto social e político na era das redes sociais.


 


Assumindo-se como um "comunicador não preparado", o advogado-ex-ministro deixou várias ideias, transversais aos países e às ideologias, que deverão estar presentes na estratégia política e na estratégia das organizações em geral. Partilho algumas das ideias que consegui registar:


 


- As gerações mais velhas olham para as novas ferramentas como um modelo de comunicação. As gerações mais novas vêem estas ferramentas como uma plataforma de relacionamento, intervenção e organização.


 


- Comunicação global e instantânea igual a capacidade de intervenção global e instantânea


 


- Os movimentos gerados nas redes sociais serão disruptivos numa primeira fase e identitários numa segunda fase (referindo-se aos "acampamentos" espanhóis, MS explicou que este são uma manifestação de capacidade colectiva, mas que ainda não sabe onde aplicar essa capacidade)


 


- Os movimentos na internet ligam pessoas, pontos individuais, ainda que englobados num movimento.


 


- Por mero acaso tecnológico, destruímos barreiras geográficas, de crenças, de raças. Os temas deixaram de ser territoriais e passaram a ser globais.


 


Citou depois um dos seus autores preferidos (meu também), o escritor espanhol Perez-Reverte, que invoca duas razões essenciais para o desencontro das pessoas com a sociedade:


 


- com a nossa incapacidade de viver como animal racional (já somos só "racionais"), perdemos o relacionamento com os sentidos


- de todos os seres gregários, o ser humano é o único que, mesmo em comunidade, precisa de manter a sua identidade e a sua individualidade.


 


E os media sociais, blogs e redes sociais, são a plataforma ideal para a manutenção dessa identidade numa sociedade ainda gregária. Morais Sarmento tira destas reflexões ensinamentos para a estratégia política. "Qual a razão para um jovem hoje optar por um modelo partidário piramidal (e cheio de filtros) quando, com um clique [no facebook] pode partilhar a sua opinião de forma directa e integral?"


 


Se este político reflectiu sobre as novas expectativas da sociedade e a sua capacidade crescente de intervir e interagir em redes contextuais numa perspectiva essencialmente partidária, é certo que estas reflexões se aplicam à análise do contexto das organizações, uma das competências essenciais de um profissional de relações públicas.


 


Agora que está na moda universidades e conferências convidarem políticos para "aulas" de experiência política, Morais Sarmento parece ser uma boa escolha. Melhor que para debates televisivos, digo eu, que o estou a ver agora na Sic Notícias.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D