Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Menos estado, N estado

por Alda Telles, em 19.08.11


Tenho de interromper as minhas merecidas férias para revisitar a palpitação 1. do meu post sobre serviço público de televisão. Culpado? O Sol, não o que generosamente me tem aquecido a alma e tostado as peles, mas o astro semanal do arquitecto Saraiva.


Citando fontes governamentais (anónimas, segundo alguns, identificadíssimas, segundo eu) que por sua vez são citadas no Diário Económico, afinal a grande aposta vai ser na RTPN.


 


Tenho de admitir que apanhei sol demais na moleirinha ao pensar que, numa lógica de redução ao mínimo do poder governamental na comunicação social e de redução dos custos do mesmo estado, o serviço público de televisão se resumiria a um canal residual do tipo PBS (sim, aquele que ninguém vê), e que todo o resto seria “devolvido ao mercado”.


 


Pois bem não, antes pelo contrário, o governo vai “reforçar” o canal noticioso do estado. Presumo que, também a bem da nação, se manterá a edição bicéfala e economicamente ineficiente entre Lisboa e Porto. Aguardemos saber quanto é que isto vai custar ao estado (muito, muito mais do que o seu custo actual, uma vez que a futura-ex RTP1 vai deixar de fornecer conteúdos de borla à irmãzinha N) para ver quanto é que o ministro Gaspar vai ter de anunciar em impostos suplementares.


 


A grande vantagem desta decisão é que ela em nada vai influir no trabalho da comissão que estuda o conceito de serviço público de televisão, uma vez que a RTPN é um canal do cabo, e como tal fora da órbita do conceito.


 


Resumindo: Acaba-se com o canal 1, redistribuindo os 50 milhões de publicidade pelos privados, e reforça-se a RTPN, com os custos da RTP1 mas sem as receitas da RTP1.


 


Vou dar um mergulho, mas sem molhar a cabeça, para não refrescar estas maravilhosas ideias.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D