Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 


Foi com este soundbite que Henrique Monteiro abriu ontem a sua intervenção num debate em Lisboa sobre saúde e comunicação. A frase gerou algumas reacções no auditório e no twitter, onde o partilhei. Foi entendido como um "mau sinal". Eu acho que foi um bom sinal.


 


Na área da saúde (e aqui falava-se sobretudo em saúde pública) tende a atribuir-se aos jornalistas a responsabilidade de "passar mensagens pedagógicas" sobre comportamentos, tratamentos, e até moldar crenças e percepções. Como Monteiro explicou, "o jornalista é um mediador de informação, não deve vestir o papel de comunicador", não deve aceitar o papel de educar, de "fazer passar uma mensagem". "É errado esperar dos jornalistas que façam formação em saúde. Os jornalistas procuram informação e transmitem-na aos seus leitores. Não são especialistas e, basicamente confiam nas suas fontes. Para passar mensagens, existem os programas da manhã na televisão, que não são feitos por jornalistas".


Com o enorme potencial de discussão que estas declarações podem gerar, sobretudo numa área sensível como a da saúde, acrescentarei que quem deve fazer comunicação são os médicos, com a ajuda de especialistas em comunicação. Estes especialistas em comunicação não são os jornalistas, são técnicos que adaptam, de acordo com objectivos concretos, a informação aos públicos-alvo, definem mensagens, simplificando ou destacando ideias-chave, determinando o momento certo para o fazer e os meios onde o fazer.


E este não é de facto o trabalho de um jornalista, que produz a informação segundo uma agenda de actualidade ou de investigação que não é necessariamente a agenda dos agentes da saúde.


Como ele disse, e eu subscrevo, cada macaco no seu galho.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

Pedro Neves a 11.10.2011

Não posso deixar de concordar... o seu a seu galho! Jornalistas informam, Comunicadores - educam/elucidam.
No entanto, e dai o meu comentário, o Jornalista usa o seu "discurso jornalistico" muitas vezes (diria mesmo que sempre) para tornar uma informação factual numa "noticia de interesse jornalistico".
Não sei se me estou a fazer entender mas a ideia é que há muitas formas de "dar a noticia" e se o jornalista usa deste critério deveria estar a aberto a críticas sobre a forma como "deu a noticia" influenciando directamente a percepção dos factos pelo leitor/espectador.
É uma linha de dificil definição e a ética e isenção deveriam estar sempre presentes na forma (e no conteúdo... naturalmente) de informar.
A palavra escrita é demasiado poderosa para se ignorar os seus efeitos e se poder alegar tantas vezes que o papel do jornalista é apenas de "mediador de informação".

Just my 2cents... :)

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D